1. Início
  2. |
  3. Fcc Notícias
  4. |
  5. Conheça a nova página do Mulherio, marco feminista da imprensa alternativa brasileira
Avaliação | Processos Seletivos  
Pesquisa e Educação
Concursos
Avaliação | Processos Seletivos  
Pesquisa e Educação
Concursos

 

Conheça a nova página do Mulherio, marco feminista da imprensa alternativa brasileira

 

Palavra Mulherio escrita em cinza contra fundo vermelho. No interior das letras da palavra, há imagens de mulheres em preto e branco. Na parte inferior da imagem, está escrito Fundação Carlos Chagas em cinza.

|11/03/22

Projeto de modernização da página, que será feito em etapas, inclui resgate da história do jornal e de sua influência para a área de gênero e para o jornalismo

Em comemoração ao Dia Internacional das Mulheres, a Fundação Carlos Chagas divulga o projeto de revitalização da página institucional do Mulherio, jornal que teve origem na instituição e foi um dos mais longevos representantes da imprensa feminista à época da ditadura civil-militar brasileira e da redemocratização no país.

Publicado entre 1981 e 1988, o Mulherio abordou diversos temas sobre a condição feminina, o que inclui trabalho da mulher, equidade racial, violência doméstica, saúde, cultura e transformações políticas. A produção, sempre pautada pelo caráter colaborativo, refletia a pluralidade de vozes de mulheres pesquisadoras, jornalistas, integrantes de movimentos sociais e atuantes em múltiplas frentes de luta por direitos. 

Entre grandes nomes que passaram pelo Mulherio, estão a psicóloga Fúlvia Rosemberg e a cientista social Carmen Barroso, ambas pesquisadoras da Fundação Carlos Chagas no período, coordenadoras do jornal e pioneiras no campo de estudos de gênero no Brasil. No feminismo negro, destaca-se a colaboração assídua de Lélia Gonzalez, filósofa, antropóloga e referência nas relações entre gênero e raça. No editorial jornalístico, Adélia Borges e, posteriormente, Inês Castilho deram o tom do projeto. 

Mais de 30 anos após o fim de sua publicação, o Mulherio ainda ocupa papel importante nas discussões sobre gênero, imprensa e feminismo, sendo tema de pesquisas acadêmicas, cursos e debates sobre o protagonismo de mulheres no combate a sistemas opressores.

Para saber mais sobre o Mulherio, acesse a nova página:
https://www.fcc.org.br/fcc/mulherio-home

Skip to content